Élite é uma das mais recentes apostas da Netflix, uma série hispânica com alguns atores já conhecidos e queridos por conta de outro sucesso do streaming, La Casa de Papel. Adianto que, eu gostei da série. Me parece uma estranha mistura de Gossip Girl (ou leia-se qualquer outra tipica série adolescente) com How to Get Away With Murder, e por isso você já deve estar imaginando que a série é um grande novelão, e se você estava, parabéns! É exatamente isso.

Tem sido criado um hype muito grande sobre essa série, e apesar dela ser boa, se você ainda não assistiu é melhor controlar um pouco mais suas expectativas. O inicio da série, faz um excelente trabalho em definir o tom do que você pode esperar dali em diante, começamos já com alguns flashforwards indicando que um assassinato haveria acontecido, e depois disso a trama muda para adolescentes pobres ganhando uma bolsa de estudos em um dos colégios mais prestigiados do país e todos os dramas e escândalos que algo assim poderia trazer junto. (Incluindo; uma cena de dois adolescentes fazendo sexo num banheiro da escola, o qual literalmente qualquer um poderia entrar, e que ficam surpresos quando advinha? Alguém entra. Tudo bom?)

Em Élite você encontra, assim como em qualquer outra série adolescente, todos os personagens clichês imagináveis. A garota rica que é chata e má com todo mundo, a rica que é “rebelde”, a que é boazinha mais nem tanto, o menino que a primeira vista é alguém horrível e que você não gosta, mas depois começa a gostar e a lista continua. Isso não é um problema, eu costumo dizer que se clichês não fossem bons, eles não seriam clichês. O problema é que você precisa saber trabalhar com esses clichês de uma forma diferente e embora a série faça isso muito bem em alguns momentos, em outros a trama da série e as ações dos personagens tornam-se completamente previsível.

O maior acerto da série é na trama do assassinato que aconteceu, mas infelizmente até a reta final isso não é algo que tem lá tanto destaque. Isso é compreensível, é uma formula que foi usada durante parte da primeira temporada de How to Get Away With Murder, mas ao contrário desta, Élite não te da as peças o suficiente do quebra cabeça para você montar e ter teorias de quem cometeu o crime e o por que ele foi cometido e pra mim isso não é um roteiro muito inteligente e honesto com o espectador. Todas as cenas de flashforwards, até um certo momento, não dizem absolutamente nada. Estão ali só pra te lembrar que essa série adolescente “não é exatamente como todas as outras”.

Eu gostei de Élite e acho que é uma série que tem muito potencial para o futuro e certamente vou estar vendo a segunda temporada, mas se eu te dissesse que essa primeira foi tão boa quanto poderia ter sido eu estaria mentindo para você. Definitivamente essa é uma série que vale dar uma chance se você não assistiu ainda, mas como eu disse anteriormente, não vá com muitas expectativas pois você pode se decepcionar.