Quase 1 ano desde o final amargo de The Good Wife, fiquei com os dois pés atrás quando anunciaram The Good Fight, afinal, a série original não estava em seu melhor momento com uma história fraca e normalmente séries derivadas, poucas, conseguem manter o nível da série original.

Felizmente, o universo da boa esposa teve ótimos personagens e a CBS e os Kings acertaram no fato de darem um destaque a Christine Baranski, Diane Lockhart é incrível e seria claro minha primeira escolha para um Spin-Off, o outro acerto é da CBS em colocar a série na sua plataforma On Demand, CBS All Access, assim a série não precisa exibir os exorbitantes 22 episódios que a série mãe dependia para exibição na TV Aberta e nem sofre com os problemas de audiência, fantasma que perseguiu The Good Wife até o fim.

A série agora com maior liberdade e maior tempo, começa no momento da posse de Donald Trump numa sequência silenciosa mas hilária, temos Diane prestes a se aposentar tem uma reviravolta, falindo, e a faz mudar de planos tendo que voltar a trabalhar.

As outras duas protagonistas, são Lucca Quinn (Cush Jumbo) que continua servindo de apoio e subir na vida, mas agora sem Alicia, e a novata advogada Maia Rindell (Rose Leslie) que tem sua vida virada de cabeça para baixo após um escândalo na qual ela está envolvida.

E esse caminho que os Kings tomaram é próximo o que aconteceu em The Good Wife, mas o que torna em The Good Fight é a maneira como será tratado o escândalo, numa começa após todos os comentários que o escândalo poderia ter, na outra estamos vivenciando o escândalo, vendo Maia se recuperar desde o primeiro momento.

O elenco, além de caras conhecidas voltando como Marissa Gold (Sarah Steele), David Lee (Zach Grenier) e até os belíssimos juízes como o Juiz Abernathy (Denis O’Hare) devem fazer mais participações recorrentes e tendo outras confirmadas, fecham o elenco regular da série Barbara Kolstad (Erica Tazel), Adrian Boseman (Delroy Lindo) e Colin Morrello (Justin Bartha).

Para quem nunca viu The Good Wife (SHAME) e deseja ver The Good Fight, já digo, a ligação é minima, apenas no piloto tivemos algumas citações e fotos, para quem não assistiu (SHAME ON YOU) não atrapalhará a trama em nada. E deixo meu veredito, a série mostra o quão rico é esse universo, e espero que tenha vida longa. O que foi mostrado é uma prova que os Kings ainda tem criatividade para continuar essa história.

  • Alexandre Lima E Silva

    Não acho que 22 episódios sejam exorbitantes. Pra mim é o número de episódios ideal de uma série. E eu curti a sétima temporada de The Good Wife. Espero que The Good Fight (não curti esse nome, não sei, não desceu) seja tão boa quanto The Good Wife.